Perdão ou desculpa temporária

O perdão existe? Para mim, o que realmente existe é o esquecimento total.

Exemplificando: Quando uma pessoa consegue esquecer uma mágoa, uma dor ou uma decepção causada por outra pessoa, aí sim pode saber que realmente perdoou, porque esqueceu, enterrou em algum lugar do passado e aquilo deixou de existir em sua mente e em seu coração.

Talvez polemize quando digo: Na maioria dos casos, porém, o que acontece é um esforço em desculpar o outro, uma tentativa de superar o problema e de manter uma convivência pacífica, mas isso não é perdão, é desculpa temporária.

Fico pensando nas muitas vezes em que a gente se desculpa sem ter feito a nível consciente, nada para magoar, nada para provocar o choro, a zanga ou a raiva do outro. A gente se desculpa para aliviar uma culpa que não temos, mas que o outro planta, rega e cuida até germinar e acabar de vez com nosso senso lógico, com nosso raciocínio normal. A gente se desculpa porque não quer causar mal ou dano, mesmo que o engano, as vezes, a nosso ver, seja do outro. O pedido de desculpas que fazemos, mesmo quando julgamos estar com a razão, serve como um bálsamo, um paliativo, para dar uma chance ao outro de parar, de relaxar e recobrar a mansidão.

Nós nos desculpamos porque temos medo de julgamento, medo de condenação, nós temos muito medo de um não, e não queremos ver a dor do outro, porque a nossa dor já é grande o suficiente. Nós sentimos então que devemos fazer algo para que não se acabe uma amizade, um amor ou relação familiar, queremos amar e fazemos qualquer coisa para que tudo fique bem, mesmo que seja nosso amor-próprio e nossa falta de entendimento do problema.

 

 

O amor-próprio de nada vale quando você vê no rosto de outra pessoa uma certa angústia ou mágoa por algo que você, mesmo sem intenção de ferir, disse ou fez. Nós acabamos entregando a razão pra quem faz questão. Depois ficamos com a dúvida, tentando encontrar nosso erro para que não mais se repita. Então, depois de pedir perdão, vemos que de nada adiantou, porque quem muito se ofendeu, foi na verdade, quem mais nos pisou.

Isso acontece porque em muitos momentos, o outro apenas reage ao que não lhe cai ou faz bem. O que precisamos entender é que quando o ego está no comando, corremos o risco de não ver além daquele momento de raiva ou irritação e de não nos lembrarmos o quanto aquela mesma pessoa é cheia de qualidades, generosidade e carinho.

Aquela agressividade demonstrada ali, naquele instante, pode ser um claro sinal de medo, medo de se envolver, medo de sofrer, medo de se entregar, medo de amar. Sei que em uma situação tensa é difícil pensar nisso e manter a calma, mas se você conseguir observar, verá que o ressentimento do outro dará lugar a uma grande paz e a agressividade será substituída pela harmonia, assim a discussão nem existirá mais.

Como agir então?

A conclusão é simples, basta amar, porque o amor tudo supera e não se detém com problemas.

“O esquecimento total é a prova inequívoca do perdão e também um forte indicador de que podemos ser melhores, capazes de amar além e apesar de, porque o amor é sempre incondicional e desconhece o que é mesquinho e o que é pequeno.”

Dalia Hewia

Sou Dalia Hewia, autora de quatro livros e escritora por vocação e muito amor, uma pessoa que gosta de alegria, de risadas, de bons momentos, sou feliz. Toda situação depende da ótica com que é observada e eu prefiro olhar para tudo com otimismo. A intensidade faz parte de meus pensamentos, sentimentos e maneira de ser. Gosto de gente, animais, natureza e de entender até o complicado, reverencio o sagrado, presente em todos os instantes. Eu e as palavras somos amantes, na esperança de tocar diversos corações porque a vida é assim, repleta de surpresas, possibilidades e reflexões. Paixões!

Compartilhe a felicidade!

Deixe seu comentário!

Post Author: Dalia Hewia

Dalia Hewia
Sou Dalia Hewia, autora de quatro livros e escritora por vocação e muito amor, uma pessoa que gosta de alegria, de risadas, de bons momentos, sou feliz. Toda situação depende da ótica com que é observada e eu prefiro olhar para tudo com otimismo. A intensidade faz parte de meus pensamentos, sentimentos e maneira de ser. Gosto de gente, animais, natureza e de entender até o complicado, reverencio o sagrado, presente em todos os instantes. Eu e as palavras somos amantes, na esperança de tocar diversos corações porque a vida é assim, repleta de surpresas, possibilidades e reflexões. Paixões!

Deixe uma resposta