Não julgue… Conheça!

Nós seres humanos somos muito complexos: cheio de manias, de desejos, de incompreensões, de sonhos, de defeitos… Temos os olhos abertos para ver, mas, muitas vezes, não enxergamos muitas coisas… Podemos conhecer profundamente, mas às vezes nos contentamos com o que é raso.

Uma das manias que nós temos é a de querer fazer conjecturas sobre tudo, principalmente sobre as pessoas… Esse é um grande defeito de quem se acostuma a ser limitado e a ser levado por impressões que sempre falham! E falham porque não são capazes de enxergar a profundidade existente nas pessoas.

Emitir pré-conceitos não é bom porque nos limita a não fazermos novas descobertas e acabamos ficando sempre presos ao achismo e à incapacidade de enxergar a essência e o essencial do que existe em cada ser.

Por que nos acostumamos a projetar sobre o outro o que sai de nossas mentes? O melhor para o ser humano não é evoluir? Sim, sempre… E essa evolução significa você aprender a ver o outro a partir do que ele realmente é e não com base no que os seus olhos aparentam conhecer…

Por isso, não julgue, conheça! Conhecer é ter a possibilidade de alargar seus horizontes, aprofundar a sua visão e diminuir a capacidade de errar ao julgar quem você ao menos teve a humildade de chamar para uma conversa, de tentar compreender suas escolhas… Julgar, sem conhecer é o mesmo que falar mal de uma festa na qual nunca esteve.

Quantos de nós (creio que todos) e quantas vezes (penso que muitas) não deixamos de nos aproximarmos de alguém devido aos rótulos que os outros lançavam e que permaneciam como verdades imutáveis e aos preconceitos que nós mesmo depositávamos no outro… Porém, quase sempre quando tivemos a oportunidade de conhecer o “julgado”, acabamos nos surpreendendo com uma simples conversa, com pequenas palavras trocadas…

 

 

Isso é comum porque as pessoas sempre serão mais profundas do que os rótulos e os julgamentos que se projetam sobre elas… O ser humano é muito complexo e essa complexidade não pode ser observada com um simples olhar que não se demora, mas que está inebriado ao tentar enxergar de longe o que só se conhece de perto… Os nossos conceitos prévios acabam colocando em xeque a nossa capacidade de perceber o que não pode ser percebido com olhares.

Penso que a modernidade não combina com a baixeza de limitar o outro aos seus preconceitos e a sociedade do conhecimento muito menos com a impossibilidade de conhecê-lo a fundo… Principalmente em se tratando de pessoas…

As pessoas são dignas de serem olhadas devagar, com profundidade e de perto porque só assim poderão ser conhecidas como o que realmente são. Você pode se surpreender ao tentar conhecer aquele ser que nunca se demorou em olhar porque as pessoas nos surpreendem quando conhecemos a sua verdadeira essência…

Nem sempre o melhor amigo será o que se mostra o mais legal… O melhor companheiro pode não ser perfeito… As melhores pessoas não se definem porque não cabem dentro de descrições vagas ou dentro de modelos… As pessoas surpreendem e nós nos surpreendemos com o quanto as aparências são capazes de enganar… Não julgue, se deixando enganar pelos olhos, mas tenha a ousadia de querer conhecer profundamente e se dê a oportunidade de se surpreender com os seres humanos!

Licenciada em Pedagogia e Mestranda em educação pela FCT/UNESP. Aquela que vê beleza nas simplicidades e enxerga Deus em cada detalhe. Escreve para acalentar a vontade de deixar fluir o que transborda no coração. É toda esperança com cobertura de fé e deixa essas marcas em seus escritos.

Compartilhe a felicidade!

Deixe seu comentário!

Post Author: Patrícia Regina de Souza

Licenciada em Pedagogia e Mestranda em educação pela FCT/UNESP. Aquela que vê beleza nas simplicidades e enxerga Deus em cada detalhe. Escreve para acalentar a vontade de deixar fluir o que transborda no coração. É toda esperança com cobertura de fé e deixa essas marcas em seus escritos.

Deixe uma resposta