Construindo relacionamentos positivos

O terceiro componente da felicidade, na definição do pai da psicologia positiva, Martin Seligman, é relacionamento. Somos geneticamente programados para nos conectarmos socialmente, e essas conexões podem, para o bem ou para o mau, potencializar a experiência de outros componentes da felicidade. Em outras palavras, quando experimentamos relacionamentos positivos, tendemos a sentir mais emoções positivas, como amor, afeto e gratidão, e, em alguns casos, a vivenciar maior senso de propósito na vida.

Uma das habilidades mais eficazes e enraizadas que temos para nos conectarmos com outras pessoas é a empatia. Começamos a desenvolver empatia durante os primeiros anos de vida, quando somos tomados por fortes relações de apego. Mas a empatia não pára de se desenvolver ao longo da vida, o que significa que podemos cultivar seu crescimento e usá-la como uma força radical para a transformação social. 

Nesse ensaio vou apresentar quatro hábitos identificados pelo professor Ph.D Roman Krznaric das pessoas altamente empáticas, na esperança de que você decida implementá-los na sua vida, para construção de relacionamentos mais positivos.

 

Cultive curiosidade sobre os outros

Pessoas altamente empáticas têm uma curiosidade insaciável sobre estranhos. Muitos de nós perdemos essa característica ao longo da vida, especialmente por pressões associadas ao comportamento socialmente esperado. Quem não cresceu ouvindo a máxima “não converse com estranhos”? 

Uma atitude curiosa perante desconhecidos expande nossa empatia quando decidimos tentar conhecer o outro, compreender seu mundo. Desafie-se a conversar com um desconhecido por dia, ou por semana, se quiser começar mais devagar. Faça perguntas e escute ativamente, sem julgamento. Descubra a riqueza de cada experiência e observe como nossa natureza o impulsiona para mais empatia e conexão.

 

 

Desafie preconceitos e descubra semelhanças

Costumamos a todo tempo classificar as pessoas em grupos ou rótulos, muito antes de qualquer esforço ou ação concreta para conhecer a pessoa rotulada. Dependendo do rótulo atribuído a alguém, mais nossa esforço para fugir de qualquer aproximação. 

Pessoas altamente empáticas desafiam seus próprios preconceitos e buscam ativamente similaridades que as ligam a outras pessoas. Krznaric exemplifica esse hábito com a história de Claiborne Paul Ellis, personalidade de um episódio marcante da história das relações raciais dos EUA.

Ellis nasceu em uma família branca pobre em Durham, Carolina do Norte, em 1927. Desempregado, atribuia aos afro-americanos a causa de todos os seus problemas. Seguindo os passos do pai, filiou-se a Ku Klux Klan, onde galgou espaço de comando. Em 1971 foi convidado para uma reunião comunitária sobre as tensões raciais nas escolas, sendo escolhido para liderar comitê ao lado de Ann Atwater, ativista negro que sempre desprezou. 

Durante o tempo em que trabalharam juntos, entretanto, Ellis percebeu que compartilhava com Atwater os mesmos problemas de pobreza e desemprego. “Eu estava começando a olhar para uma pessoa negra, a apertar sua mão, e vê-la, pela primeira vez, como um ser humano”, mencionou após o episódio. “Foi quase como ter nascido de novo”. Na última noite da reunião, Ellis rasgou seu cartão de membro Klan na frente de mais de mil pessoas. 

Quantos exemplos como esse permeiam nossas vidas sem que encontremos a coragem de superar pré-conceitos para, de fato, conhecemos outras pessoas. Quanto podemos aprender, crescer, e qual a qualidade dos relacionamentos que podemos construir?

 

Experimente viver a vida de outra pessoa

Lembro como se fosse hoje um treinamento que participei nos meus anos como executivo em São Paulo. Com o intuito de conscientizar a alta liderança sobre a importância da segurança no trabalho, o instrutor informou que cada participante deveria escolher experimentar era a vida de um deficiente vítima de acidente de trabalho. Alguns escolheram muletas, outros cadeiras de rodas, gesso no braço e até vendas no olhos. Durante todo o treinamento de 8 horas, vivemos como pessoas portadoras de deficiência, inclusive nos intervalos, almoço e idas ao banheiro.

Experimente viver a vida de alguém por um dia, ou algumas horas e descubra como sempre temos muito a aprender. Nas palavras do filósofo John Dewey: 

“Toda a educação genuína vem através da experiência”

 

Pratique escuta ativa

Pessoas altamente empáticas escutam os demais e fazem tudo o que podem para entender seu estado emocional e necessidades.

Mas só escutar não basta. Aceitarmos nossa própria vulnerabilidade, ou seja, remover nossas máscaras e revelar nossos verdadeiros sentimentos, é vital para criação de vínculos genuínos. A empatia é uma rua de mão dupla que, na melhor das hipóteses, é construída com base no entendimento mútuo – uma troca de nossas mais importantes crenças e experiências.

Inspirar as pessoas a (re)descobrirem e, acima de tudo, viverem seus sonhos. Esta é a missão que Henrique Bueno tomou para si quando decidiu tornar-se coach e palestrante.
Advogado especialista em Direito Empresarial pela FGV e MBA pelo Insper / Columbia University, Henrique liderou, por mais de 10 anos, times de alta performance em empresas de grande porte (Ambev, British Petroleum). Apaixonado por pessoas e pelo estudo do desenvolvimento do potencial humano, tornou-se Coach, Especialista em Psicologia Positiva e Life Design (Center for Advanced Coaching, Fierce Inc, Wholebeing Institute, Penn University, UC Berkley, Stanford), promovendo palestras e treinamentos abertos e corporativos e atuando como life e executive coach para empresas, indivíduos e grupos.

Compartilhe a felicidade!

Deixe seu comentário!

Post Author: Henrique Bueno

Inspirar as pessoas a (re)descobrirem e, acima de tudo, viverem seus sonhos. Esta é a missão que Henrique Bueno tomou para si quando decidiu tornar-se coach e palestrante. Advogado especialista em Direito Empresarial pela FGV e MBA pelo Insper / Columbia University, Henrique liderou, por mais de 10 anos, times de alta performance em empresas de grande porte (Ambev, British Petroleum). Apaixonado por pessoas e pelo estudo do desenvolvimento do potencial humano, tornou-se Coach, Especialista em Psicologia Positiva e Life Design (Center for Advanced Coaching, Fierce Inc, Wholebeing Institute, Penn University, UC Berkley, Stanford), promovendo palestras e treinamentos abertos e corporativos e atuando como life e executive coach para empresas, indivíduos e grupos.

Deixe uma resposta