Como ser inteiro sozinho e como isso fortalece seus relacionamentos

“Somente através de nossa conexão com os outros podemos realmente conhecer e melhorar o ego. E somente trabalhando em nós mesmos podemos começar a melhorar nossa conexão com os outros. ”- Harriet Lerner

Quando se trata de amor, temos duas tarefas essenciais. Uma, que a maioria de nos já sabe, é aprender as habilidades e práticas que permitem que os relacionamentos prosperem. A outra lição é menos familiar para a maioria das pessoas, mas é ainda mais importante. Devemos também aprender amar à nós mesmos. 

Quando falo de amor próprio, não me refiro ao tipo vaidoso que é alimentado pelo dinheiro, pelo poder, pela influência, por um corpo malhado e pela admiração alheia. Eu falo do tipo de amor que requer autocuidado, nao apenas da nossa saúde física, mas também da nossa mente e do nosso coração. 

É o tipo de amor que cria para nós o tempo e o espaço para desenvolvermos e usarmos nossos talentos. É o tipo de amor que nos liberta para descobrir e promover nosso verdadeiro propósito na vida. 

Nosso maior desafio é a entrega absoluta para esse amor. Para amar o outro da maneira mais sincera, precisamos nos tornar inteiros primeiro. Precisamos integrar as duas forças – o “eu” e o “nós”. 

Essa entrega absoluta significa verdadeiramente aceitar-se. O difícil, o triste, as loucuras, os medos e as alegrias são todas parte de você. A gratidão e o ressentimento juntos fazem de você um todo. 

Sua aceitação de todas as suas partes é o que te faz completo. Aqui estão cinco práticas que tenho adotado para a minha vida e que tem me ajudado à caminhar em direção dessa entrega total.

 

1 – Passe tempo consigo mesmo 

Certa vez, ouvi alguém dizer que passar tempo consigo mesmo é a melhor prática que você pode adotar e, na época, não entendi o que ele quis dizer. 

Enquanto sozinha, sempre senti como se estivesse “solitária”. Eu confundia o sentimento de solidão com o de estar sozinha. Demorei anos para descobrir o prazer de caminhar, ir ao mercado, ver um filme na minha própria companhia. 

 

2 – Todos os dias, verifique se sua autoestima está equilibrada com sua autocrítica 

As pessoas as vezes confundem amor próprio com auto-indulgência. Desafiar a mim mesma quando não estou vivendo de acordo com meus próprios padrões é importante, mas deve ser feito com compaixão. Aprender a se amar apesar de suas imperfeições permite que você aceite as imperfeições de outras pessoas. 

 

3 – Encontre uma prática que centralize você 

Sentar-se em uma posição de lótus e concentrar-se na respiração permite que algumas pessoas encontrem o foco; existem também outras práticas como a meditação zen, a meditação enquanto caminha, a meditação hoponopono e muitas outras. 

Além disso, existem métodos de centralização que são tao poderosos para a autorreflexão quanto meditar. A dança, a arte, escrita e oração são apenas alguns exemplos. O que todas elas tem em comum é que podemos usá-las para fazer um “check-in” com nós mesmos. 

 

4 – Faça um inventário de onde você está

Corpo: estou satisfeito com as maneiras como nutro meu corpo? Como posso fazer escolhas ainda melhores? Examine sua nutrição, exercícios de força, flexibilidade, resistência e bem-estar cardíaco, bem como todos os outros tipos de autocuidado que você pode praticar. 

Mente: estou me sentindo alimentado, desafiado, expandido e interessado? Eu estou crescendo? 

Espírito: estou satisfeito com a definição que tenho para com o meu espírito? Como posso entrar mais em contato com ele? Existe um lugar dentro de mim onde eu possa encontrar tranquilidade, sabedoria e orientação?

Emocional: como estou lidando com meus desafios atuais? Existe um fluxo de sentimentos diferentes, ou eu me vejo preso em uma certa emoção? Eu me sinto equilibrado? 

Social: como estou conectado com as pessoas da minha vida (família, amigos, parceiros, colegas de trabalho)? O que está funcionando e onde eu quero fazer mudanças? 

 

5 – Desenvolva uma prática diária de gratidão e comece por demonstrar auto-apreciação. 

Pergunte-se sobre as vitórias que você teve durante a semana. Reconheça quando você fez algo que foi corajoso. Se agradeça por ter dedicado seu tempo para sentir gratidão. 

Ao explorar essas cinco técnicas, você poderá descobrir outras. Você vai descobrir que já tem uma entrega por dentro; você só precisa agora encontrar as chaves para abrir essa porta. 

Quando nos sentimos bem em relação a nós mesmos, é mais provável que nos sintamos generosos em relação aos outros; os dois sentimentos estão vinculados. Sentido-nos fundamentados e centrados o suficiente para assumir riscos e alcançar os outros ao nosso redor. Sentimo-nos seguros reconhecendo os nossos defeitos e perdoando a nós mesmos, e assim somos capazes de nos abrir para as pessoas ao nosso redor de todo o coração. 

Sou Mineira nata que ama pao de queijo e cafe. Gosto de tudo quanto e’ musica que me faz sentir alguma coisa, desde Incubus à Henrique e Juliano. Coleciono canecas e livros, deixo de comprar sapatos para comprar passagens de avião e curto uma cervejinha e um jogo de futebol. Sou Relações Públicas de dia e aspirante ‘a escritora durante todas as outras horas. A constante busca pelo auto-conhecimento através da espiritualidade me trouxe ate aqui: com vontade de transformar meus tropecos, error e acertos em palavras no papel.

Compartilhe a felicidade!

Deixe seu comentário!

Post Author: Ana Carolina DaMata

Sou Mineira nata que ama pao de queijo e cafe. Gosto de tudo quanto e' musica que me faz sentir alguma coisa, desde Incubus à Henrique e Juliano. Coleciono canecas e livros, deixo de comprar sapatos para comprar passagens de avião e curto uma cervejinha e um jogo de futebol. Sou Relações Públicas de dia e aspirante 'a escritora durante todas as outras horas. A constante busca pelo auto-conhecimento através da espiritualidade me trouxe ate aqui: com vontade de transformar meus tropecos, error e acertos em palavras no papel.

Deixe uma resposta